quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Filmes baseados em jogos



"Algumas coisas são difíceis de engolir"

[Cultura e Entretenimento]


Eu nunca “botei muita fé” nos roteiros de filmes baseados em jogos. Sempre pensei -“Essas idéias não irão dar muito certo”, principalmente após assisti o sofrível “Super Mario Bros. (1993)”. Que lixo de filme! O jogo é excelente, sem comentários.  Mas o filme, infelizmente a Nintendo quis dar ênfase a boa fase que vinha passando, mas produziu a coisa mais sem noção da história dos filmes inspirados em jogos. E se pensarmos bem, o jogo em seu estado natural já é uma viagem nerd de um hippie que bebeu muito chá de cogumelo em meados dos anos 60. Veja só: “Um encanador que bate a cabeça em tijolos para ganhar dinheiro, come cogumelo para crescer, e assim, combater “monstros” pulando em suas cabeças a fim de salvar uma princesa”. 

Só sendo criança mesmo, pois isso nunca deveria ter saído do universo dos 8bites!


LUIGI E MARIO
Veja o trailer dessa lastimável produção - AQUI


O filme, Super Mario Bros, conta com a pior atuação de Dennis Hopper que já tive o desprazer de presenciar, sendo o lastimável “Rei Koopa”. Já Bob Hoskins interpretou o encanador Mário. Hoskins ao contrário de Dennis Hopper teve em sua relevante carreira alguns personagens legais. Talvez a maioria das pessoas se lembre dele devido ao filme “Uma Cilada para Roger Rabbit (1988)”, mas sua filmografia conta com obras como “Pink Floyd The Wall (1982)” e “Brasil - O Outro Lado do Sonho (1985)”.

Já o encanador Luigi é interpretado pelo cara mais insuportável e sem talento da história do cinema, John Leguizamo. Leguizamo, esse mala sem alça, estragou filmes como “Spawn – O soldado do inferno (1997)”, interpretando “O palhaço do inferno”.

Você quer odiá-lo ainda mais? Tenha o azar de pegar seu pai assistindo “O Peste (1997)” no SBT.

Aliás, só existe dois filmes que realmente consegui “assistir” com a presença desse mala. O primeiro, “Terra dos Mortos (2005)”, do grande George Romero, onde alguém finalmente mata esse lazarento após sua transformação em zumbi. O segundo é “Spun - Sem Limites (2002)” um filme sobre drogas, sexo e humor pervertido. O filme conta com a participação do vocalista Rob Halford (Judas Priest) interpretando um “macho-fêmea” dono de um sexy shop. A presença de Halford é cômico devido às desventuras hilárias que só fará sentido aos headbangers de plantão.


No entanto, a grande atuação (ou a mais cômica) vai para Mickey Rourke, ex-galã dos anos 80 que ganhou esse título após “dar um tapa na peteca” da atriz Kim Basinger no filme “Nove Semanas e Meia de Amor (1986)”. Ao contrário do filme romântico, em “Spun - Sem Limites”, Mickey interpreta um traficante viciado no trabalho e em filmes pornográficos. A cena mais cômica do filme vai para a declaração que o personagem faz (com perdão aos ouvidos das senhoritas que lêem esse blog) “a independência da xoxota” parafraseando um discurso do ex-presidente Kennedy, porém, trocando "EUA" por "Pussy". O filme é cheio desse humor ácido, meio pervertido com diálogos que lembram as discussões Tarantinescas.
 
Mickey Rourke
(Ex-Sexy Symbol. Atualmente feio pra diabo, cara mau e vilão dos filmes)

Veja cena de "Spun - Sem limites com aparição de Rob Halford - AQUI

Veja a declaração de Mickey Rourke - AQUI 


PRODUÇÕES INDEPENDENTES 


Voltando aos filmes inspirados em jogos. Depois tive que presenciar outros desprazeres como “Double Dragon (1994)”, “Street Fighter (1994)” com o hadoken mais tosco que já vi. E o golpe final com “Mortal Kombat (1995)”. Adolescência tem seus momentos trágicos.

Os filmes baseados em jogos, citados anteriormente, fizeram com que este que vos fala não acredite muito nessa fórmula fácil. Eu ainda me arrisco a assistir um ou outro, seja baseado em HQs ou em jogos, mas sem muita ansiedade ou pressa. Não é o tipo de filme que me atrai. Geralmente seus idealizadores enfatizam o “hadoken do Ryu” ou “Get Over Here do Scorpion”, deixando de trabalhar em cima do contexto ou na adaptação a história, algo que renderia um roteiro mais incomum e inusitado, recriando um diferencial a idéia original. Porém essa “transformação” é difícil nos games ditos “porradísticos”, os golpes ou poderes acabam sendo o centro do contexto geral, tornando o filme mais uma reprise da Sessão da Tarde. Aliás, os únicos filmes que apreciei as suas respectivas adaptações foram Silent Hill e Resident Evil.

No entanto a internet está aí, presente para qualquer um fazer a sua manifestação ao contrário da década de 90 que não havia lugar ou como reclamar. Com isso, os fans de vídeo-games lançam “idéias de como deverá ser as novas produções” baseados em seus jogos favoritos. E fuçando aqui e ali, achei alguns “short movies” realmente interessantes.

PAC MAN – THE MOVIE

Já ouvi dizer que realmente é um projeto válido. Mas como boatos de internet são mais mentirosos que as estórias de sitio da minha avó, prefiro acreditar que é mais uma produção bem feita por fans. Como foi o pequeno curta metragem “Dead End” sobre o Batman.



MORTAL KOMBAT REBIRTH

Esse vídeo promocional, criado por fans, sugerindo como deveria ter sido abordado à idéia dos personagens de Mortal Kombat. Ficou muito interessante. Principalmente por abordar a personalidade de cada um de forma sádica, obscura e destrutiva. Tirando todo aquele conceito “porradístico”.


STREET FIGHTER: LEGACY

Ao contrário do deplorável filme já existente, esse Short Movie apresenta uma excelente fotografia. Mas uma obra independente produzida por fans.

THE SIMS MOVIE TRAILER

E para finalizar as homenagens dos fans feitas aos seus jogos favoritos, apresento "The Sims". Ao contrário dos trailer anteriores ele tem um teor totalmente humorístico. Para quem já jogou esse RPG sobre a vida real, vai rir como os caras abordaram a possível produção de um filme baseada no jogo.


Após um período ausente, espero que tenham gostado desse artigo caros leitores.

Até mais ver!

2 comentários:

CDX, ainda omisso disse...

Mais um post foda como sempre. Nem manjava desse filme Spun. Vou atrás hehe!

Domenium disse...

Valeu pelo comentário CDX!